VARIAÇÃO DE CUSTO

MÉDICO-HOSPITALAR

CONCEITOS

01 / O QUE É CMH?

O Custo Médico-Hospitalar (CMH) é determinado através das despesas médicas hospitalares de um grupo de beneficiários de planos de saúde, durante um determinado período. Isso significa quanto custa, em média, disponibilizar os serviços de assistência médica cobertos pelo plano de saúde, durante este tempo.

02 / O QUE É VCMH?

O índice de Variação de Custo Médico-Hospitalar (VCMH) expressa a variação do custo das operadoras de plano de saúde comparando dois períodos consecutivos de 12 meses, captando oscilações, tanto da frequência de utilização quanto do preço médico, dos serviços de assistência à saúde.

VCMH NO MUNDO

/ CENÁRIO MUNDIAL

 

Em diversos países, assim como no Brasil, o mercado de saúde suplementar cada vez mais vem sofrendo impactos nos custos, o que faz subir os preços e encarecer o acesso à assistência privada.

 

Desde os anos 80, os custos de atenção à saúde vêm aumentando sensivelmente. Isto é reflexo principalmente do envelhecimento populacional, desperdício de materiais e da incorporação de novas tecnologias médicas, impulsionada pelo aumento de renda da população e também pela maior taxa de cobertura de seguros saúde.

 

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar – IESS – o impacto da inserção da tecnologia na área de saúde é completamente diferente daquele produzido na área da computação, que, em geral, cai a cada dois anos, de acordo com a Lei de Moore (*). Só nos Estados Unidos, por exemplo, a cada 13 anos, os gastos com saúde dobram, o que representa entre 27% e 48% do crescimento dessas despesas desde 1960, pois quando novas tecnologias são inseridas nos serviços ambulatoriais e hospitalares, elevam-se a utilização de recursos humanos e operacionais, e, por sua vez, os custos. A inclusão destas inovações induzem também a mais fornecimento de material, treinamento especializado e equipamentos, sem necessariamente ter comprovação da sua efetividade nos tratamentos e melhoria dos indicadores de saúde da população.

(*) A lei de Moore surgiu em 1965, através de um conceito estabelecido por Gordon Earl Moore, em que dizia que o poder de processamento dos computadores (como informática geral, não os domésticos) dobraria a cada 18 meses. Ou seja, os custos das tecnologias na área de computação caem pela metade a cada dois anos, enquanto na área de saúde, a escala dos valores duplica.

/ VCMH NO BRASIL E NO MUNDO

 
 

IMPACTOS

/ IMPACTOS DO VCMH

Apesar de parecer um assunto complexo e até mesmo distante de nossa realidade, acompanhar a evolução do índice VCMH, representa, especialmente nos tempos atuais, antever as tendências de custos e previsibilidade de reajustes dos planos de saúde. Se olharmos especificamente para os contratos coletivos empresariais, que, no Brasil, em geral, representam o segundo maior custo para as empresas, ficando atrás somente da folha de pagamento, dominar os conceitos, compreendendo seu comportamento é crucial para a sustentabilidade dos contratos e para o balizamento das tomadas de decisões estratégicas das corporações.


Se não conseguimos entender as razões, nunca será uma tarefa fácil explicar a um CFO, por exemplo, porque a inflação geral historicamente fica bem abaixo da inflação médica média. Trata-se de uma lógica muito específica do segmento de saúde suplementar e que nos cabe aqui tentar desmistificar um pouco.

 

De um modo geral, em escala mundial, o índice VCMH é sempre mais elevado que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). No Brasil, só em 2015, a inflação médica bateu recorde desde que começou a ser medida formalmente, atingindo quase o dobro do IPCA no mesmo ano. O reflexo desse forte impacto tem sido uma grande movimentação do mercado em direção à gestão e redução de custos, muitas vezes com foco na busca de novas opções de operadoras/seguradoras, novos produtos, ou mesmo, redesenho da política para acesso ao benefício saúde. 

 

O índice de VCMH ficou em 16,9% no ano de 2018. A título de comparação, a inflação geral do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 2,7%, neste mesmo ano. O gráfico abaixo apresenta a evolução das variáveis de saúde versus o IPCA.

/ EVOLUÇÃO DAS VARIÁVEIS SAÚDE X IPCA

Fonte: Dados retirados do IESS e ANS. Gráfico elaborado por Grupo Case Benefícios e Seguros.
 

MERCADO DE PLANOS

/ COMO FUNCIONAM OS PLANOS?

01 / A EMPRESA PAGA UMA FATURA MENSAL.
02 / OS FUNCIONÁRIOS USAM O PLANO FAZENDO CONSULTAS, EXAMES, CIRURGIAS E DEMAIS PROCEDIMENTOS.
02 / E PARA QUE ESSA EQUAÇÃO SEJA SUSTENTÁVEL, É PRECISO HAVER EQUILÍBRIO.

/ REAJUSTE DOS PLANOS INDIVIDUAIS X COLETIVOS

 

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é o órgão responsável, entre outras funções, por controlar os aumentos das mensalidades dos planos de saúde nos contratos individuais, além de analisar as causas dos reajustes, o que inclui a validação de cada índice VCMH, submetido por cada operadora/seguradora.

 

Porém, este índice de reajuste, divulgado pela ANS, não é precisamente um índice de preços. Ele é composto pela variação da frequência de utilização de serviços, novas tecnologias e custos de saúde. Neste ano, a ANS fixou em até 10% o índice de reajuste a ser aplicado aos planos de saúde individuais.

 

A ANS regula o teto dos planos individuais, mas não determina limite para os planos empresariais, por entender que pessoas jurídicas possuem maior poder de negociação junto às operadoras.

No caso do plano empresarial, a ANS apenas acompanha os aumentos de preços. O índice destes contratos é divulgado a cada ano pela própria operadora/seguradora, ou seja, cada um deles possui seu próprio VCMH.

 

Confira abaixo como funcionam os reajustes dos planos coletivos empresariais no Brasil.

Obs.: Cada operadora/seguradora possui seu próprio VCMH.

QUER ENTENDER COMO CADA OPERADORA / SEGURADORA CALCULA SEU VCMH?

Fonte: IESS (www.iess.org.br.)

CUSTO R$

RECEITA R$

= SINISTRALIDADE

ÍNDICE DE SINISTRALIDADE (IS) IDEAL 70% (*) (CUSTOS/RECEITAS)

E O QUE ACONTECE QUANDO O IS ULTRAPASSA OS 70%?

ALÉM DO REAJUSTE POR VCMH (**), A EMPRESA SOFRE REAJUSTE POR SINISTRALIDADE.
(*) Break-even médio dos contratos.
(**) Índice médio, que corrige reajuste por sinistralidade para equilíbrio técnico do contrato.
 

/ VARIÔMETRO - MEDIDOR CONSTANTE DE VARIAÇÃO

Termômetro do VCMH NO BRASIL nos últimos 5 anos.
 

ESTUDOS

Novo!

Novo!

Novo!

Novo!

Todos os estudos e análises aqui disponibilizados foram retiradas dos sites do IESS (http://www.iess.org.br/) e ANS (http://www.ans.gov.br/) e estão disponíveis para consulta pública. 

EBOOK

O Grupo Case, consultoria e corretora especializada em soluções customizadas na gestão de benefícios e seguros, desenvolveu um ebook exclusivo sobre o VCMH, que oferece uma análise compilada e didática acerca do comportamento do mercado de planos de saúde, com especial atenção aos contratos coletivos empresariais. Cadastre-se no formulário abaixo para receber o ebook gratuitamente em seu e-mail!

LINKS
ENDEREÇOS

Av. Rio Branco, 81 - 16º andar

Centro - Rio de Janeiro/RJ

Tel.: (21) 3216-9292

Rua Fidêncio Ramos, 100
6º andar - Vila Olímpia
São Paulo/SP

Tel.: (11) 4550-3052

Copyright © 2019 by Grupo Case Benefícios e Seguros. Todos os direitos reservados.